Homem menino




 

Fico olhando a distancia
Enternecida e cheia de esperanças
Pensar nele assim

Um grande
homem nas horas certas

Aquele cuja sabedoria por momentos
Acaba se sobrepondo a mim
Mais o lado menino

Aquele cheio de alegria e de graça
Quando indagado em algo serio
Fecha-se nas dúvidas do próprio ‘Eu’
Daquele que não sei se como o homem
Também é tão meu.

E é nessa doce ternura e tortura
Que me divido aos dois nessa incerta loucura
Às vezes com enternecimento do sentir
N’outras na amplitude do homem mulher
Não sei ao certo quando ele é mais menino
Ou quando mostra seu lado adulto e mais forte.

Às vezes é tão candido e tão doce!
Mais parecendo uma criança inocente
E como é leve e fácil me deixar levar!
Homem menino, menino homem
É lindo amar os dois em um só.

Difícil não amar o homem
Impossível não encantar-se com o menino
Só sei que o menino me cobra a leveza do sorriso
O homem a mulher forte e compreensiva
O dilema persiste e consiste em
Serei capaz de preencher duas lacunas?

De um menino livre e encantador
A do homem que exige fidelidade e amor
Serei capaz de fazê-lo compreender
Que é toda minha vida
E que; por tudo que é
Mas também pelo que deixa de ser
Já não consigo mais sem ele viver?

Fanete Costa


 

                                                               

Designer Fanete Costa                                   Webmaster corcel negro.®